DESIGUALDADE DE RENDA E DEMANDA POR REDISTRIBUIÇÃO

Por que em alguns países há mais redistribuição de renda do que em outros? A questão é relevante, não apenas para o desenho de sistemas de tributação e de políticas redistributivas, mas também para uma melhor compreensão do surgimento de conflitos sociais ou da posição (in)tolerante dos habitantes de um país frente a situações de desigualdade social. Leia mais

A INEFICIENCIA DA DESIGUALDADE

O documento da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe – CEPAL, das Nações Unidas, analisa os mecanismos pelos quais a desigualdade reduz a eficiência dinâmica das economias da América Latina e do Caribe. Ele analisa e mede os efeitos da desigualdade de acesso à saúde e educação sobre a produtividade e renda, bem como as consequências da desigualdade de oportunidades causadas por discriminação com base no sexo ou condição étnico-racial. Leia mais

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E SAÚDE EM ÁREAS DE RISCO

O artigo busca analisar a relação entre Desenvolvimento Sustentável e condições de saúde em áreas de risco. Para tanto, foi realizado um survey em Bissau, capital de Guiné-Bissau, África. Como procedimento metodológico principal foram construídos: Índice de Ocorrência de Doenças (IOD), Índice de Acesso a Serviços de Saúde (IASS) e Índice de Saneamento Básico (ISB), os quais permitiram analisar quantitativamente, e na perspectiva dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), a relação entre saúde e saneamento. Leia mais

PATRIMÔNIO CULTURAL, CIDADE, SUSTENTABILIDADE

Uma relação harmônica entre preservação do patrimônio cultural e desenvolvimento socioeconômico é um desafio há muito presente na gestão de sítios históricos. Este artigo discute a articulação entre tombamento e instrumentos urbanísticos, como o plano diretor e as zonas especiais. Leia mais

GESTÃO DE ESCOLAS MUNICIPAIS NO BRASIL

Este artigo discute resultados de estudo que caracterizou cenários de gestão vigentes em escolas municipais no Brasil, com base em respostas dos diretores ao questionário contextual da Prova Brasil de 2015. Leia mais

ENSINO MÉDIO – ETAPA CONCLUSIVA DE UMA EDUCAÇÃO EM CRISE

O artigo associa o desempenho do Ensino Médio, estagnado há mais de década, ao conjunto de insuficiências da Educação de Base. Cogita-se a necessidade de se rever recente lei que altera a LDB, assim como de se reelaborar em seu conjunto a Base Nacional Comum Curricular, para poder ser sintética e efetiva referência educacional. Leia mais

DESAFIOS DAS UNIVERSIDADES LATINO-AMERICANAS

A universidade, na condição de instituição social projetada para metabolizar processos de educação democrática, precisa abandonar certos conceitos construídos intencionalmente ao longo da história e aproximar-se com urgência da sociedade. Leia mais

OS SENTIDOS DA PESQUISA SOBRE CORRUPÇÃO

Este artigo pretende traçar um panorama geral sobre as discussões acumuladas em torno da corrupção, identificando e agrupando as principais ocorrências relacionadas com ela na pesquisa científica. Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL, ROBÓTICA E MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

O objetivo deste trabalho é analisar os riscos e oportunidades da introdução da inteligência artificial e robótica na administração pública. É imperativo que as instituições públicas adotem uma estratégia pró-ativa, ou seja, para aproveitar a revolução tecnológica não só para renovar a sua capacidade técnica, mas principalmente para resolver a maioria dos seus problemas conceituais e organizacionais. Leia mais

ANÁLISE DO USO DO FACEBOOK NO NÍVEL MUNICIPAL

O uso de redes sociais e outras ferramentas da Web 2.0 ganhou grande importância no setor público, uma vez que possibilita uma nova forma de comunicação entre a administração e os cidadãos. Para conhecer seu impacto, métricas e metodologias de análise apropriadas são necessárias. Este trabalho ilustra o uso de diferentes métricas para o uso do Facebook em nível municipal, tanto por conselhos municipais quanto por cidadãos, tomando uma amostra de prefeituras espanholas e dados públicos disponíveis. Os resultados mostram que uma porcentagem considerável dos conselhos municipais não usa o Facebook para se comunicar com os cidadãos. Os municípios que usam o Facebook só alcançam níveis modestos de acompanhamento e interação, não usam as mídias que geram maior impacto nos usuários, nem o conteúdo que gera o maior impacto. Portanto, fica claro que as entidades locais precisam repensar suas estratégias de uso dessas ferramentas para melhorar a interação com os cidadãos.

Leia o artigo de Enrique Bonsón e outros na integra em http://old.clad.org/portal/publicaciones-del-clad/revista-clad-reforma-democracia/articulos/071-junio-2018/Bonson-Royo-Cambra.pdf