MEDIDAS ECONÔMICAS BRASILEIRAS SÃO INFERIORES ÀS DE OUTROS PAÍSES

As medidas anunciadas pelo governo de Jair Bolsonaro para conter o impacto do coronavírus no Brasil estão “muito abaixo do que foi anunciado em outros países”, segundo levantamento do Observatório de Política Fiscal do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), feito pelo economista Manoel Pires. De acordo com ele, iniciativas anunciadas até o momento pelo governo federal — como antecipação do 13º salário de pensionistas e aposentados do INSS, redução temporária de impostos para empresas, ampliação do programa Bolsa Família, novos recursos para o Ministério da Saúde e transferências para Estados e municípios — somam cerca de 4% do PIB do país. Já na Alemanha, os gastos do governo para enfrentar a crise do coronavírus atingiram 37% do PIB, em países como Reino Unido e Espanha, as ações dos governos chegam a 17% do PIB; nos Estados Unidos, por sua vez, os valores discutidos chegam a 11,3% do PIB. Para Manuel Pires, o esforço fiscal do governo brasileiro adotado até o momento é “absolutamente insuficiente” para enfrentar a crise. Ele ressalta que parte das medidas é apenas antecipação de despesas que já ocorreriam ao longo do ano, o que significa que não terão efeito se a crise se prolongar por vários meses. Na sua avaliação, há espaço fiscal para o governo fazer mais.

Leia o artigo de Mariana Schreiber em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52024928

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.