SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS ATIVIDADES PRODUTIVAS NO SEGMENTO DE BAIXA RENDA

O segmento informal, concentrado em comunidades de baixa renda, vem adquirindo crescente importância no Brasil e no mundo. Sua lógica, no entanto, permanece pouco compreendida. Nesse contexto, um tema relevante diz respeito à temática de sobrevivência e mortalidade dessas unidades produtivas informais. Embora existam pesquisas sobre o tema da mortalidade, estas são voltadas, exclusivamente, para a análise de empresas formalmente constituídas. O presente trabalho propõe, a partir de revisão crítica e adequação da literatura existente, um modelo analítico para investigação das causas de sobrevivência e mortalidade nesse segmento, centrado em três categorias básicas – indivíduo, atividade, ambiente. O modelo é testado na análise de quatro atividades produtivas urbanas (duas ativas e duas extintas), com resultados positivos. Destacam-se, entre eles, que os fatores experiência prévia, dedicação e personalidade do indivíduo, além da sua noção de concorrência como fonte de estímulo e aprendizado, foram importantes para a sobrevivência. Observa-se, no entanto, que tais empreendimentos são dotados de lógica peculiar, exigindo não apenas algumas revisões conceituais como, também, novas pesquisas.

Leia o artigo de Jaqueline Silva Melo e outros em http://www.scielo.br/pdf/read/v24n3/1413-2311-read-24-03-00130.pdf

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *